Dr. Luiz Gustavo - neurocirurgia funcional • dor • estereotaxia

Tratamentos

Dor do Câncer

A dor é uma experiência sensitiva e emocional desagradável associada com danos reais ou potenciais nos tecidos, tem uma avaliação subjetiva e individual. É um sinal de que algo não vai bem no corpo.  Dores agudas nos defendem de agressões do meio ambiente ou nos avisam sobre alterações do próprio organismo, já as dores crônicas como as que muitos pacientes que lutam contra o câncer enfrentam não possuem uma função específica e causam grande desgaste e sofrimento.

Cerca de 40% dos pacientes com neoplasias malignas apresentam dor na fase inicial, já na fase avançada da doença até 80% sentem algum desconforto doloroso. As dores sentidas em qualquer fase do tratamento podem e devem ser tratadas e controladas, isso possibilitará que o paciente tenha mais tranquilidade e qualidade de vida para enfrentar as diversas etapas do tratamento.

A dor no paciente com câncer pode ocorrer tanto durante o tratamento como após a cura. Durante o tratamento a dor decorrer da compressão de órgãos ou outros tecidos pelo tumor (dor nociceptiva), da destruição e deslocamento de nervos pela massa tumoral (dor neuropática), ou mesmo pela liberação de substâncias inflamatórias pelo tumor que geram a sensação dolorosa.

Após o tratamento a dor pode ser um efeito colateral das medicações usadas, como exemplo existem alguns quimioterápicos que podem gerar inflamações nos nervos.

Como tratar a dor?

Os tratamentos para eliminar as dores causadas pelo câncer são bastante efetivos e irão variar de acordo com o caso e a intensidade da dor.

Inicialmente o tratamento é sempre feito com medicações, podem ser usados de acordo com a gravidade da dor analgésicos comuns, menos frequentemente anti-inflamatórios devido aos efeitos colaterais, e em casos de dor intensa pode ser indicada morfina.

Como tratamentos adjuvantes frequentemente são utilizados antidepressivos, anticonvulsivantes e antipsicóticos, estas medicações quando usadas em associação com morfina e seus derivados potencializam o combate à dor causada pelo câncer.

Em casos que a dor é de difícil controle, o tratamento cirúrgico realizado por especialista em dor é uma opção a ser considerada, em sua maioria tratam-se de procedimentos minimamente invasivos.

Em alguns casos bloqueios ou merotomias podem ser realizados para interromper o caminho da dor para o cérebro. Já outros casos tem indicação do tratamento por neuromodulação, este tratamento é feito com dispositivos que liberam a medicação no sistema nervoso central ou outros dispositivos que se assemelham a eletrodos ligados a marca passos que liberam a medicação alterando a sensação dolorosa.

O mais importante é que o paciente saiba que todos os tipos de dores, desde a mais leve até a mais severa, são passíveis de tratamento. Tratar a dor possibilitará que o paciente tenha mais disposição e qualidade de vida durante o tratamento, para isso é importante que o paciente deixe claro que deseja que sua dor seja avaliada pela equipe médica multidisciplinar.

Clique aqui e agende sua consulta.

voltar
Dr. Luiz Gustavo - neurocirurgia funcional • dor • estereotaxia